Artigos

Dilma Rousseff a um passo da vitória

Roberto Ramalho

Roberto Ramalho é Jornalista, Advogado e estudioso de assuntos políticos

  O crescimento da candidata do Partido dos Trabalhadores (PT), Dilma Roussef, em todos os institutos de pesquisa: CNT/Sensus, IBOPE e Datafolha, indicam que suas possibilidades de vencer a eleição para presidente da República já é uma realidade.

  Segundo vem constatando o Instituto Datafolha Dilma Rousseff vem crescendo em todas as regiões do Brasil, inclusive entre as faixas etárias, o que não vem ocorrendo com o candidato do PSDB, José Serra.

  Percebi, inclusive, que até sua maneira de falar com o público e com o povo melhorou bastante e já está incomodando bastante o candidato do Partido Social Democrata Brasileiro (PSDB) José Serra.

  Sem dúvida nenhum que Dilma Rousseff tem todas as qualidades para se tornar a próxima presidente da República.

  Porém, a figura carismática e popular do presidente Lula tem ajudado bastante no seu crescimento nas pesquisas de intenção de voto.

  Lula recentemente no programa nacional do PT enalteceu a figura de Dilma como uma candidata capaz de governar o Brasil, afirmando que deve muito a ela pelo fato de ter criado o programa "Luz para Todos", conseguindo levar energia elétrica a onze milhões de pessoas que residem no campo.

  Chegou também a compará-la com o ex-preso político e ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela que lutou contra o Apartheid, assim como o fez Dilma Rousseff em relação a sua participação no combate a Ditadura Militar. "Eu lutei sim. Lutei pela liberdade e pela democracia. Lutei contra a ditadura do seu primeiro ao seu último dia. Com os meios e as concepções que eu tinha".

  Embora Lula tenha exagerado pelo fato de Nelson Mandela ter ficado 21 anos preso e Dilma Rousseff apenas três anos, isso não tira seu brilho.

  Breve história de Dilma Rousseff.

  Dilma Vana Rousseff nasceu na cidade mineira de Belo Horizonte em 14 de dezembro de 1947 e é uma economista e política brasileira, filiada ao Partido dos Trabalhadores (PT).

  Foi ministra-chefe da Casa Civil durante o segundo Governo Lula, e é praticamente a candidata do partido à Presidência da República, em 2010 tendo em vista não ter aparecido outro concorrente dentro do PT.

  Nascida em família de classe média alta e educada de modo tradicional, logo se interessou pelos ideais socialistas durante sua época de juventude, após o Golpe Militar de 1964.

  Iniciando sua vida na militância, imediatamente passou para a luta armada contra o regime militar instaurado na década de 60, integrando organizações como o Comando de Libertação Nacional (COLINA) e a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR Palmares).

  Por causa de sua participação nessas organizações foi presa e passou quase três anos encarcerada, entre 1970 e 1972, onde passou por sessões de tortura.

  Após o fim do regime militar reconstruiu sua vida no Estado do Rio Grande do Sul, onde juntamente com o companheiro por mais de trinta anos, Carlos Araújo, ajudou na fundação do Partido Democrático Trabalhista (PDT), e que tinha como seu principal líder o também perseguido político Leonel de Moura Brizola vindo a participar ativamente de diversas campanhas eleitorais.

  Enquanto esteve filiada ao Partido Democrático Trabalhista exerceu o cargo de secretária municipal da Fazenda de Porto Alegre no governo Alceu Collares e mais tarde foi secretária estadual de Minas e Energia, ainda no governo de Alceu Collares assim como no de Olívio Dutra, vindo posteriormente a se filiar ao Partido dos Trabalhadores (PT) em 2001.

  Tendo em vista sua experiência na área energética participou da equipe que formulou o plano de governo na área energética na eleição de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República em 2002, onde, por ter-se destacado foi indicada para titular do Ministério de Minas e Energia.

  Em decorrência de sua capacidade e competência à frente do Ministério das Minas e Energia, foi novamente reconhecida por seus méritos técnicos e gerenciais, sendo nomeada ministra-chefe da Casa Civil devido ao escândalo do mensalão, uma crise política que abalou o Palácio dôo Planalto levando à renúncia do então ministro da pasta José Dirceu.

  No ano de 2009 foi considerada pela Revista Época uma dos 100 brasileiros mais influentes.

  O PT que fez convenção neste domingo (13), em Brasília, para oficializar a candidatura da ex-ministra Dilma Rousseff à Presidência da República teve como surpresa o comparecimento do técnico Wanderley Luxemburgo, filiado ao PT há exatamente um ano, além, é claro, do presidente Luís Inácio Lula da Silva e dezenas de outras personalidades do mundo político.

  O vice-presidente de Dilma Rousseff escolhido na convenção do PMDB ontem, Michel Temer, também participou do evento e afirmou que um eventual governo de Dilma seria para fazer o "Brasil seguir mudando". "Quando o PMDB resolveu fazer aliança foi uma decisão programática. Tem muito Brasil pela frente. Muito o presidente Lula já fez, mas este Brasil pela frente casa com a tese para o Brasil seguir mudando."

  Segundo a Agência Estado de olho no voto feminino, fatia do eleitorado em que a ex-ministra precisa ampliar os índices de intenção de voto, o PT organizou um ato político colorido para ser uma "celebração à mulher". No material de campanha estavam estampados os dizeres "Pátria Mulher, Pátria Mãe".

  Durante seu discurso na Convenção Partidária do Partido dos Trabalhadores Lula afirmou que "Serão três meses de muito trabalho, muita alegria, muita tensão e nós esperamos que nossos adversários estejam dispostos a fazer campanha de nível elevado e que não façam jogo rasteiro inventando dossiê todo dia". E concluiu: "Nós já estamos maduros, calejados, sabemos como eles funcionam e, portanto muita tranqüilidade, porque o bicho vai pegar, e a tranqüilidade de vocês, a maturidade de vocês é que vai garantir que a gente ganhe essas eleições", afirmou.

  Logo em seguida no encerramento da Convenção Partidária a candidata Dilma Rousseff afirmou: "O presidente Lula mudou o Brasil e o Brasil, por essa mudança, quer seguir mudando. A continuidade que o Brasil deseja é a continuidade da mudança. O que queremos é seguir mudando para melhor, com mais crescimento e inclusão social".

  E continuou afirmando: "Não é por acaso que depois desse grande homem o Brasil possa ser governado por uma mulher, uma mulher que vai continuar o Brasil de Lula, mas que fará o Brasil de Lula com alma e coração de mulher"

  Sobre o Sistema Tributário ela declarou: "Para o Brasil seguir mudando é preciso continuar a estabilidade e aprovar a reforma tributária. Nosso sistema tributário é caótico. Vamos investir para informatizar tributos, diminuir alíquota dos impostos e ampliar a base de arrecadação"

  Sobre política externa do país Dilma foi muito clara afirmando que é preciso fortificar a relação com os países da América Latina e África.

  Além disso, também defendeu a não proliferação de armas. "Seguiremos defendendo de forma intransigente essa paz mundial, a convivência harmônica dos povos e não à guerra", disse.

"Vamos ampliar a presença do Brasil no cenário internacional. Vamos lutar pelo desarmamento e valorização dos espaços multilaterais. Vamos seguir estreitando relações com nossos vizinhos da América Latina, sem querer ter qualquer espécie de imperialismo", declarou e concluiu: "Precisamos manter nosso olhar especial para a África, continente que contribuiu para a nossa formação, nossa cultura, nossa língua."

  Ela falou durante aproximadamente 50 minutos e foi entusiasticamente aplaudida por todos que estavam presentes.

  Concluindo, quero externar como provavelmente o primeiro blogueiro do país, o meu apoio incondicional e meu voto a candidata do Partido dos Trabalhadores Dilma Rousseff, que sem dúvida sendo eleita fará um grande governo, dando continuidade às obras, tarefas e tudo o mais que o país precisa para se tornar desde que o presidente Lula assumiu em 2002, e, creio eu, daqui a dez anos, tornar o Brasil um dos cinco países mais importantes do globo terrestre.

OBS: Gostaria de deixar bem claro que não sou filiado ao Partido dos Trabalhadores.

Licença Creative Commons | Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas
Alguns direitos reservados
Exceto quando assinalado, todo o conteúdo deste site é distribuído com uma licença de uso Creative Commons
Creative Commons: Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas

Como seria o Vade Mecum dos seus sonhos?

Estamos trabalhando em um Vade Mecum digital, inteligente, acessível e gratuito.
Cadastre-se e tenha acesso antecipado e gratuito à nossa versão beta.