Artigos

Direito Pessoal- Motivação- Atitude

Valéria Reani

Saber Direito-O que você vai mudar em 2010?

Atitudes profissionais e pessoais

Por Dra. Valéria Reani

  O começo de ano é a melhor época para fazer uma retrospectiva pessoal e principalmente profissional, revendo os seus melhores e piores momentos. O ideal é contabilizar suas atitudes no que diz respeito a: clientes perdidos, espaços conquistados, contratos fechados, oportunidades desperdiçadas ou aproveitadas e analisar o que o último ano representou no âmbito profissional e pessoal!

  Depois do balanço, é hora de partir para um planejamento claro e palpável para 2010, estabelecendo, para cada objetivo, prazos, atitudes  e estratégias para cumpri-lo.

  Em regra geral, as resoluções de ano novo raramente funcionam porque as pessoas elaboram uma longa lista de metas que não transformam em planos objetivos.   

  Na verdade, não faz sentido tratar o ano novo como se fosse uma folha em branco onde se pudesse escrever uma história.  

  Assim que todos os foguetes estouram e se retira a última folha do calendário de 2009, todos os hábitos, obrigações, pendências, limitações, prazos e demandas continuaram valendo.   

  Mas, se a rotina vai continuar a mesma, você  pode e deve pensar em como melhorá-la e deve estar ciente que a companhia para qual trabalha precisa cada vez mais que ele se qualifique. Com isso é importante aperfeiçoar idiomas, fazer novos cursos, modificar o comportamento ou buscar especializações. Uma mudança de Atitudes!  

  Se você está em fase de transição – e normalmente estamos, sem perceber isso – aceite o convite para refletir sobre suas atitudes e corra o risco de ter idéias criativas, inovadoras e se livrar das antigas.Vale lembrar que, atitudes são constatações, favoráveis ou desfavoráveis, em relação aos objetos, eventos ou pessoas. Uma atitude é formada por três componentes: cognição, afeto e comportamento.O plano cognitivo está relacionado ao conhecimento consciente de determinado fato. O componente afetivo corresponde ao segmento emocional ou sentimental de uma atitude. Finalmente, a vertente comportamental está relacionada à intenção de se permitir, de alguma maneira, com relação a alguém, alguma coisa ou situação dentro do trabalho.  

  Para melhor compreensão, tomemos o seguinte exemplo: algumas pessoas têm o hábito de fumar. E a pergunta que sempre se faz aos fumantes é o motivo pelo qual não param de fumar, mesmo cientes de todos os malefícios à saúde cientificamente comprovados.Analisando esse fato à luz dos três componentes de uma atitude, podemos enxergar o que acontece. O fumante, via de regra, tem plena consciência de que seu hábito é prejudicial à sua saúde, ou seja, o componente cognitivo está presente em sua atitude.  

  No entanto, como ele não sente que essa prática esteja minando seu organismo, continua a fumar. Mas se um dia uma pessoa próxima morrer vítima de um enfisema ou ainda o próprio fumante for internado com indícios de problemas cardíacos decorrentes do fumo, a porta para acessar o aspecto emocional será aberta: ao sentir o mal a que está se sujeitando, o indivíduo decidirá agir, mudando seu comportamento, deixando de fumar.  

  As pessoas acham que atitude é ação. Entretanto, atitude, salvo melhor conceito,  é racionalizar, sentir e externar. E não se trata de um processo exógeno, é algo interno, que deve ocorrer de dentro para fora. E entre a conscientização e a ação, é necessário estar presente o sentimento como elo.  

  Ou você sente ou não muda!  

  Atitudes devem estar alinhadas com a coerência ou acabam gerando novos comportamentos. Tendemos a buscar racionalidade em tudo o que fazemos. É por isso que, muitas vezes, mudamos o que dizemos ou buscamos argumentar até o limite para justificar uma determinada postura. É um processo intrínseco. Sem coerência, não haverá paz em nossa consciência e buscaremos um estado de equilíbrio que poderá passar pelo auto-engano ou pela dissonância cognitiva.Pessoas dotadas de atitudes empreendedoras, estejam à frente de seus negócios como proprietários, acionistas ou colaboradores, têm por princípio uma grande capacidade de iniciativa. Seja um problema ou uma oportunidade, elas tomam conhecimento dos fatos, sentem a necessidade de uma ação e assumem um comportamento proativo para solucionar o litígio ou aproveitar a condição favorável.Essas pessoas conseguem combater o grande vilão da hesitação, esse inimigo sorrateiro que nos faz adiar projetos, cancelar investimentos e protelar decisões. Ao combatermos a hesitação, corremos mais riscos, podemos experimentar mais insucessos, mas jamais ficaremos fadados à síndrome do “quase”, do benefício indelével da dúvida do que poderia ter sido “se” a decisão tomada fosse outra.Por isso, cultive a coragem. Coragem para refletir e se conscientizar. Coragem para ter o coração e a mente abertos para internalizar o autoconhecimento adquirido. Coragem para agir e mudar se for preciso. 

  Dicas para aumentar as chances de seus projetos de ano novo, pessoais ou profissionais, darem certo.   

  • Escolha um objetivo e a meta: não adianta imaginar que você conseguirá mudar vários pontos da sua vida de uma vez só. Então, defina o seu objetivo já na forma de uma meta desafiadora, alcançável e mensurável. Alguns exemplos: concluir o curso de idiomas, aumentar o rendimento mensal no seu trabalho, perder 6kg sem voltar a recuperá-los, praticar esportes 3x por semana, estudar 6h por semana, dedicar-se mais a família. 
  • Crie o plano de ação: da meta precisa nascer o plano de ação, que neste caso pode ser uma lista simples de atividades ou pendências: se matricular em um curso de línguas, instalar e aprender a utilizar um software mais moderno e eficiente no escritório, parar de consumir refrigerante ou fritura. 
  • Escolha como acompanhar o progresso: você pode definir em qual mês irá realizar determinadas atividades do seu plano. Por exemplo: se o objetivo é aprender inglês básico para poder viajar no final do ano com a família, e se março chegar e você ainda não tiver se matriculado em um curso, você precisa rever  estratégia. 
  • Siga o plano: Projetos pessoais e definidos informalmente não têm grandes chances de sucesso. Se você não se esforçar para seguir o que planejou, ou para alcançar as metas que definiu, vai voltar a prometer e deixar de cumprir. E quando se trata de família, melhor rever mesmo os conceitos. No trabalho então...!  

  Assim, só você pode saber o quanto precisa e quer melhorar, não só como profissional, mas como membro de uma família, amigo ou cidadão. Cada pessoa exerce vários papéis, e essas funções se entrelaçam.

  E tenha um feliz e efetivo 2010 em harmonia com a família, trabalho, e como um cidadão pleno!

  É o que desejo a todos os leitores.

  Leia mais sobre o assunto no meu site www.valeriareani.com.br

  Aproveite sua visita ao meu site e faça agora seu cadastro gratuitamente e receba o semanário do escritório, contendo diversificadas notícias do mundo jurídico.

 Dra. Valéria Reani.

 Respeito os direitos autorais.

 Lei Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.

Valéria ReaniAdvocacia Empresarial

Região Metropolitana de Campinas e Baixada Santista

Cel : +55 19 -   9774-8101Cel : +55 19 -   9811-9076

SITE:   http://www.valeriareani.com.br

BLOG: http://www.valeriareani.blogspot.com

REVISTA DIGITAL: http://www.issuu.com/valeriareani

Licença Creative Commons | Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas
Alguns direitos reservados
Exceto quando assinalado, todo o conteúdo deste site é distribuído com uma licença de uso Creative Commons
Creative Commons: Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas

Como seria o Vade Mecum dos seus sonhos?

Estamos trabalhando em um Vade Mecum digital, inteligente, acessível e gratuito.
Cadastre-se e tenha acesso antecipado e gratuito à nossa versão beta.