Artigos

Estágio e construção

Rosalena Barbosa Mota

“O estágio como campo de conhecimentos e o eixo curricular central nos cursos de formação de professores possibilita que sejam trabalhados aspectos indispensáveis à construção da identidade, dos saberes e das posturas especificas ao exercício profissional docente.” (pag. 61)

Isso nos possibilita um primeiro exercício para a identificação de aspectos para as redes de conhecimentos dos professores.

“Dos processos de construção indenitários a partir de contribuições da Psicologia Social e do campo teórico da Pedagogia e da Didática.” (...)

Fala-se da ação pedagógica e ação didática, sendo que o didático refere-se especificamente à teoria e pratica do ensino e aprendizagem, considerando-se o ensino como um tipo de pratica educativo, ou seja, uma modalidade do trabalho pedagógico.

“A identidade do professor é construída ao longo de sua trajetória como profissional do magistério.” (pag. 63)

A discussão sobre a identidade do professor deve ser construída partindo do pressuposto, dos estudos relacionando com a educação de um modo geral. E não apenas de sua trajetória como profissional do magistério.

“Sendo o estágio, por excelência, um lugar de reflexão sobre a construção e o fortalecimento da identidade.” (...)

Momento em que podemos refletir e por em pratica o nosso conhecimento construído durante os estudos. Adquirindo habilidade e experiência para se firmar como bons profissionais da educação.

“Os estudos sobre profissão docente, qualificação, carreira profissional, competência e compromisso, deverão integrar o campo de conhecimentos trabalhados no estágio por meio de procedimentos de pesquisa, que tenha por objetivo a construção da identidade docente.” (...)

Dessa forma, o conhecimento se afirma como atividade que do significado as ações praticadas no seu cotidiano.

“Essa profissão situa-se na contradição do discurso da valorização do magistério e das políticas de educação que normatizam inovações sem levar em conta as relações de trabalho dos professores.” (pag. 65)

Podemos observar que há uma valorização do discurso pedagógico, e ao mesmo tempo um descaso do trabalho do profissional da educação, porem a educação é objeto de varias ciências, não cabendo à Pedagogia exclusivamente no trato das questões educativas.

“Dessa forma, os saberes, a identidade profissional e as praticas formativas presentes nos cursos de formação docente precisam incluir aspectos alusivos ao modo como a profissão é representada e explicada socialmente.” (pag. 67)

Por isso, mesmo é preciso recuperar aquele espaço do saber, onde quer que ele esteja e, dos novos conhecimentos no cotidiano escolar, além da necessidade de compreender o saber que surge do uso, com nossa forma e inventividade própria.

“A formação passa sempre pela mobilização de vários tipos de saberes: saberes de uma militância pedagógica, o que coloca os elementos para produzir a profissão docente, dotando a de saberes específicos que não são únicos, no sentido de que não compõem um corpo acabado de conhecimentos.” (pag., 69)

Saberes esses que são adquiridos durante a nossa convivência com o cotidiano e vão tomando dimensões e aperfeiçoado durante a longa trajetória da nossa carreira profissional.

“Quando se utilizam de pôsteres e painéis para socializar seus projetos, pesquisas e práticas de sala de aula, quando trazem os resultados de seus estudos, estabelecem um dialogo, uma interlocução de saberes e conhecimentos produzidos no interior de suas praticas.” (pag. 71)

O estagio, possibilita exercitar nosso profissionalismo na construção do conhecimento individual e coletivo, como professores e alunos, ambos os cidadãos responsáveis e participantes.

“Em sua experiência constata que os estagiários, ao entrar em contato com a realidade do MST, tiveram a oportunidade de aprender que os espaços e as condições sociais podem se transformar.” (pag. 75).

O importante é entender que o MST faz um trabalho pedagógico, mas não necessariamente um trabalho docente. O nosso desempenho docente dependerá não exclusivamente, mas em grande parte, do nosso histórico acadêmico e das reflexões sobre a de ensino nos momentos em sala de aula, o estágio supervisionado.

“Esse caminho mostra uma busca de organização e sistematização do estagio como área de conhecimento.” (pag.77).

Sendo assim, a construção do conhecimento em rede que ocorre na escola desafia todos os sujeitos e nos faz perceber outros ângulos do nosso, trabalho, o da negociação e o da importância de saber trabalhar com os pontos de conflitos e de tensão.

“Dessa forma, o enfrentamento dos desafios e a avaliação do ensino superior no contexto das reformas politicas e educacionais encontram no estagio supervisionado espaço para discussão, debates e troca de experiências.” (pag.79)

É nesse período que entendemos a importância para a construção de conceitos e os desenvolvimentos de habilidades e de investigação para utilizar o método cientifico que se soma a construção do conhecimento moral e o desenvolvimento de valores como responsabilidade, cooperação, respeito e tanto outros.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA (UFBA)

FICHAMENTO

ESTÁGIO E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DOCENTE

SALVADOR

2012

ROSALENA BARBOSA MOTA

ESTÁGIO E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DOCENTE

Trabalho apresentado à disciplina de Estágio I (EO2) do 3ª semestre do curso de Pedagogia da Universidade Federal da Bahia.

Professor: Washington da Encanação Bacelar

SALVADOR

2012

BBIOGRAFIA

Lima, Maria Socorro Lucena. Estágio (educação) Brasil 2. Professores-Formação Profissional Brasil 1.

Licença Creative Commons | Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas
Alguns direitos reservados
Exceto quando assinalado, todo o conteúdo deste site é distribuído com uma licença de uso Creative Commons
Creative Commons: Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas

Como seria o Vade Mecum dos seus sonhos?

Estamos trabalhando em um Vade Mecum digital, inteligente, acessível e gratuito.
Cadastre-se e tenha acesso antecipado e gratuito à nossa versão beta.