Filosofia no Século XX: A Questão da Legitimidade

O velho e o menino

Pedro Felipe de Oliveira Santos

- Dentre o universo de vocábulos, escolha um nome que te seja aprazível.

- Escolho a palavra homem.

- Homem... Homem... Agora, deste mesmo universo, retire uma qualificadora.

- Cruel... homem cruel.

- Sente? Sente como as palavras modelam umas às outras? Tenta pensar inicialmente apenas no vocábulo homem e verifica as inúmeras possibilidades de figuras que te aparecem. Vamos! Usa a imaginação! Posteriormente, quando pensas em homem cruel, teus pensamentos se modificam. Não afirmo que se restringem ou diminuem, pois o universo do pensamento é ilimitado e expansível. Mas decerto se modificam. Que pensas quando lês o vocábulo homem?

- Consigo imaginar um ser bem alto, parrudo, feição séria... Mas também consigo imaginar outras cenas, não sei bem explicar... Tenho mil pensamentos e minha imaginação permanece turva. É como cultivar o abstrato.

- E quando pensas homem cruel?

- Feição! Logo vejo nitidamente a feição do homem que aqui parece se prostrar defronte de mim: os olhos arregalados e arqueados, os lábios grossos e suspensos, a testa franzida. Instantaneamente parecem se formar outras imagens sobre a mesma expressão, mas tenho a impressão de que, nessa hipótese, elas são menos abstratas.

- E quanto mais acrescentares vocábulos à expressão, cada um dos elementos se adequará aos demais, modificando uns aos outros. É como uma massa de modelar que podes ir alterando, criando formatos e sentidos. Ou uma madeira que podes lapidar, mais forte de um lado ou mais suave de outro, formando uma bela escultura. Lembre-se! As palavras são flexíveis e se adequam umas às outras. Opa! Não exatamente as palavras, mas decerto os sentidos que nela colocamos é que são flexíveis. Temos que parar de imaginar que as coisas do mundo têm significados em si! Não, não!

- Entendo... É como brincar com as palavras. Pegamos uma aqui e ali, mexemos e embaralhamo-las, fazendo as mais diversas combinações e bulindo com o sentido do resultado final que podemos obter. Não gostas dessa brincadeira?

- Muito divertida. Esse é o jogo da linguagem. Mas ainda que alcancemos a mesma expressão vocabular, a mesma oração, o mesmo período, formaremos na nossa imaginação imagens distintas.

- Cada qual com seu cada qual!

- Mas não reparas quão belo é este enigma? O emissor envia ao receptor uma mensagem, por meio de um código, inserta num contexto. Você afirma: homem cruel! Tenho absoluta convicção de que formamos, no nosso turvo pensamento, imagens distintas. No entanto, em meio a essa sinapse subjetiva, consigo entender a mensagem.

- É o jogo da comunicação...

- E percebe que estamos tratando ainda apenas de expressões miúdas? Imagina frases mais longas... Imagina quando tens que convencer alguém.

- Não deve ser algo tão instantâneo assim. Pra ser entendido, talvez tenhamos que...

- Entender... Justificar... Convencer. São apenas várias etapas de um mesmo propósito. Conversar é convencer; justificar é convencer. E as palavras são apenas uma dentre várias faces que usamos na consecução dessa empreitada. Um discurso não se faz apenas com palavras, frases ou livros, mas também com olhares, gestos, condutas, atitudes, desenhos. A linguagem abarca todos essas formas de comunicação. O bom discurso lança mão de todas essas armas para se firmar.

- Discurso... Discurso... Enojo-me dessas palavras de conteúdo muito genérico, tais quais discurso e linguagem. Assemelham-se elas à palavra povo. Todos a utilizam, mas não refletem acerca do que efetivamente significa.

- Não fuja do assunto! Assim me desconcentras! Estamos dissertando sobre comunicação, convencimento e discurso...

- E como as palavras convencem?

- As palavras... É preciso que o teor da mensagem invada não apenas o canal auditivo, rompa a barreira do tímpano e faça a tremer os ossículos! É preciso mais! É preciso que toque o brio, subverta a essência. É preciso que a imagem que se forma na minha turva imaginação, quando me contas alguma idéia tua, assemelhe-se minimamente com a imagem que tenho quando penso nos meus próprios valores... Hum... Somente assim, quando há essa mínima identificação, um sorriso descortina-se, ou uma feição arrefece, ou duas mãos se estendem e se tocam. Eis o convencimento.

- Parece até romântico...

- Hoje estou romântico. Mas, ainda que não o fosse, essa metáfora não seria tão exagerada. É preciso haver identificação, algo que os piegas da tua idade chamam de química.

- Mas como criar essa identificação? É possível forjá-la?

- Não leste a leitura complementar da aula n° 234, pirralho? Eis a lição: conhece a tua platéia! E utiliza todos os artifícios que puderem te ajudar. Não mede esforços, não tem preguiça, não arrefece! Inventa! Imagina! Brinca com as palavras, constrói significados, molda aqui e ali. Se for preciso, mente, recorre à metafísica. Entre o céu e a terra existem mais fábulas do que tua pequena memória pode supor.

- Os seres humanos adoram fábulas...

- Oh! E como! Quanto mais enfeitada a alegoria, mais os homens gostam. Mas cuidado! Há os espertos que já não se deixam mais se enganar por elas. Mas não olvides: arregala os olhos e estuda bem o teu público! Olha nos seus olhos e verás a essência. Terás uma luz, com certeza.

- Luz... Isso pareceu tão moderno.

- Ué, qual o problema de teu argumento parecer moderno? Se precisares, recorre até à antiguidade! Corre da Mesopotâmia ao Egito, de Grécia a Roma, passeia pela Europa Medieval, e não esquece de que o Oriente tem muito a oferecer. O importante é o convencimento. Busque a fórmula, o argumento. Se parece moderno ou se para ti não subsiste mais, não importa. Se tão argumento convence os demais, ainda que seja capenga e tu tenhas mil contra-argumentos que o derrubem, podes rir e comemorar: conseguiste o teu intento. Mas se a dificuldade se sobrepuser, dê um passo para trás e reflita! Galileu é nosso grande exemplo.

- Entendo-te, mestre, mas não concordo integralmente.

- Entendimento, convencimento e legitimidade nem sempre andam de mãos dadas. Mas ousarás me dar um desgosto e discordar de mim? - e disfarça, mudando a voz - Oh, diga que não, meu querido pupilo!

- Questionando-me dessa forma, não estarás me convencendo, e sim fazendo chantagem. No entanto, peço-lhe perdão porque foste carinhoso comigo.

- Hahahaha! Estás vendo! Convenci-lhe pelo argumento mais capenga: o doce! Realizaste uma leitura original da minha conduta: sim, eu estava fazendo chantagem. No entanto, não leste que a própria chantagem é uma eficaz arma de convencimento. Pelo visto, no próximo encontro teremos que retomar o mesmo assunto.

- Urgh!

- Se até sangue e dor (e até um tal de Deus) já legitimaram - e ainda legitimam - tantos discursos, que dirão da complacência, da pena e da conveniência... Vamos, bobinho, o crepúsculo já avança. Ainda tens muito que aprender desta vida.

Página anterior Próxima página
Capítulo 12 de 34
Sumário
Arquivos
Relacionados
Licença Creative Commons | Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas
Alguns direitos reservados
Exceto quando assinalado, todo o conteúdo deste site é distribuído com uma licença de uso Creative Commons
Creative Commons: Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas

Como seria o Vade Mecum dos seus sonhos?

Estamos trabalhando em um Vade Mecum digital, inteligente, acessível e gratuito.
Cadastre-se e tenha acesso antecipado e gratuito à nossa versão beta.