Artigos

O Ensino EAD no Mundo

Luana-maria-de-oliveira'>Luana Maria de Oliveira
O Ensino EAD no Mundo. Luana Oliveira Introdução De 2000 para cá, a chamada EAD (Educação à Distância)ncresceu 45.000% em números de alunos no país, mas muitas dúvidas sobre a eficácia deste método de Ensino, ainda vem sendo gerada.  Desenvolvimento No Brasil, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação - LDB (Lei n. 9394/20/12/96) assegura a EAD como modalidade regular integrante do sistema educacional nacional. Temos, portanto, as condições legais para que se avance nesse processo, na perspectiva de que todas as instituições do setor sejam dotadas de infra-estrutura favorável e de recursos humanos capacitados, capazes de dar dinamicidade ao processo e alocados, permanentemente, nos seus trabalhos. A criação do Departamento de Educação a Distância, o Dead, foi um passo importante para essa modalidade de educação, na UFPA. Mas, estamos conscientes dos desafios a enfrentar. Não há definições concretas de políticas e ações que garantam a implementação de projetos em educação a distância. É um equívoco pensar que a EAD é o caminho mais barato. Sem recursos significativos, os preconceitos, a inexperiência, a falta de estrutura, a ineficiência do sistema tecnológico se tornam obstáculos gigantescos. Mas acreditamos no desdobramento dos nossos gestores, para tornar presente, na UFPA, o futuro ainda muito distante, infelizmente, para a maioria dos amazônidas. A  SEAD/UFSC ( Secretaria de Educação à distancia), visa garantir a qualidade de ensino em todas as etapas de planejamento, implantação e promoção de cursos de extensão, graduação e pós-graduação em EaD desenvolvidos pela UFSC, e conta com as parcerias: Ministérios das Cidades; Ministério do Turismo; Sesi / Ministério da Justiça / Senad / Gabinete de Segurança Institucional do Governo Federal; Sec.Nacional de Segurança Pública; Sec. Nacional Antidrogas, etc. Portanto, investir em EAD é, como disse Freitas (1996, p.XI) , "dar um salto significativo para alcançar a contemporaneidade do presente, na perspectiva da construção do futuro." E, segundo Maroto (1996, p.29), pensar e acreditar na EAD tem muito de realidade, mas também de utopia. Talvez seja esse o desafio do momento presente: tornar realidade, em todos os níveis, a nossa utopia. E para isso, nada de mais acertado que juntar esforços, deixando de lado a busca de poder e prestígio, tendo como horizonte a cidadania plena de todos os brasileiros. O Ensino á distância em outros países A França, por exemplo, oferece suas mais renomadas universidades como opção de formação de suas ex-colônias. Os Estados Unidos provam que estão à frente na questão tecnológica e já investem em redes sociais, ambientes virtuais e até iPods, mas estudam prioritariamente pela internet. A Espanha vai em busca de outros mercados, amparada pela abrangência da língua espanhola. Prova de que esse mercado também já se globalizou, como já constataram algumas instituições brasileiras que começam a mirar no mercado internacional. É preciso olhar a concorrência de uma forma mais ampla. No Reino Unido, a Open University é a maior e única universidade da região dedicada ao ensino a distância. Seus cerca de 200 mil alunos, inclusive de outros países da Europa, possuem acesso a aulas por meio de recursos da web, podcasts e CD-ROMs. A cada semana, mais de 50 mil de suas faixas são baixadas do iTunes. Em Portugal, o ensino a distância também segue a tendência de crescimento. A Universidade Aberta, fundada em 1988, tornou-se, no ano letivo 2008-2009, a primeira e única universidade pública do país a oferecer todas as licenciaturas e mestrados pela internet, em regime de e-Learning. E a Universidade de Coimbra lançou no ano passado 17 cursos de ensino a distância, em setores como empreendedorismo e robótica, à gestão escolar e ao comércio eletrônico. Para além dessas referências, a educação a distância se tornou um importante mecanismo de inclusão especialmente para os países muito populosos. As instituições com tradição no ensino presencial estão tendo de se adaptar à modalidade, mesmo que seja no caráter de semipresencialidade. A questão que se coloca, na verdade, é como aproveitar da melhor forma os recursos tecnológicos para o processo de ensino, seja ele presencial ou a distância. Vista como um fenômeno global, fica claro que a EAD veio para ficar, mesmo gerando dúvidas sobre sobre ser ou não um método eficaz de ensino. Referências Bibliográficas Freitas, Marlene R. M, 1996. Prefácio. In: Forte, Maria C. M.; Leite, Selma D. (Orgs). Educação a Distância: Alternativa para a construção da cidadania. Belém: Proeg/Pead/UFPA. P. IX - XII. Maroto, Maria L.M, 1996. Educação a Distância: aspectos conceituais. In: Forte, Maria C. M.; Leite, Selma D. (Orgs). Educação a Distância: Alternativa para a construção da cidadania. Belém: Proeg/Pead/UFPA. p.21-30. Sites Fenômeno Global - SEAD/UEPB - Secretaria de Educação a Distância ead.uepb.edu.br/noticias,270 Portal Unemat || Diretoria de Gestão à Educação a Distância - DEAD www.unemat.br/ead/
Licença Creative Commons | Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas
Alguns direitos reservados
Exceto quando assinalado, todo o conteúdo deste site é distribuído com uma licença de uso Creative Commons
Creative Commons: Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas

Como seria o Vade Mecum dos seus sonhos?

Estamos trabalhando em um Vade Mecum digital, inteligente, acessível e gratuito.
Cadastre-se e tenha acesso antecipado e gratuito à nossa versão beta.