Artigos

Virtualização, benefício econômico e sustentável.

Jose Adisio Paixão de Almeida

Virtualização, benefício econômico e sustentável.

Jose Adisio, Mardonio Cavalcante, Elisvelton Firme, Janayara Monteiro. Gestão de Tecnologia da Informação e Análise e Desenvolvimento de Sistemas. adisiopaixao@gmail.com

RESUMO

  Virtualização é tida como uma tendência, dada a busca incansável das corporações para maximiziar os ganhos, baratear os custos e manter a competitividade. Esse conceito refere-se à utilização de máquinas virtuais, onde plataformas e softwares são disponibilizadas para utilização de recursos como: armazenamento e processamento em servidores compartilhados e interligados por meio da internet agregando valor aos negócios. A virtualização vem ao encontro do cenário da sustentabilidade e começa a modificar o mercado. É a forma de uma empresa, negócio ou organização promover crescimento econômico de forma ecologicamente correta. Neste artigo tem-se o panorama sobre a tecnologia, se realmente os conglomerados estão preocupados com preservação ou com manutenção de uma imagem positiva de proteção ao meio ambiente. Usando método descritivo e pesquisa quantitativa junto aos alunos da Faculdade de Tecnologia do Nordeste, que teve como objetivo, analisar de que forma pensam e vêem esses acadêmicos, a respeito desta tecnologia. Concluiu-se que estes têm plena convicção seja das vantagens da virtualização como das intenções das empresas ao adotá-lá, bem como dos custos crescentes inerentes à tecnologia e do impacto ecológico.Palavras-chave:  Conceito; Internet; Sustentabilidade; Mercado e Pesquisa.


INTRODUÇÃO


A preservação do meio ambiente é um gigantesco desafio para a humanidade, a qual vive em crise ambiental sem precedentes. A sociedade moderna é dependente da informática para quase todas as suas atividades e cada vez mais a emissão de poluentes, resíduos e o consumo crescente de energia, vem contribuindo para a degradação do meio ambiente, o que pode causar desequlíbrios e danos irreversíveis ao planeta. Nesse contexto surge a virtualização como forma de conter o consumo irrefreável da indústria de informática. A criação de um ambiente virtual simula um ambiente real, propiciando a utilização de diversos sistemas e aplicativos sem a necessidade extra de aquisição de equipamentos. A proteção do ambiente é o que move e impulsiona as empresas? E como a virtualização pode contribuir para a sustentabilidade?

VIRTUALIZAÇÃO

Muitos estudiosos afirmam que a virtualização é inevitável, seja pela grande necessidade de diminuir as agressões ao meio ambiente tais como: excessivo e crescente consumo de energia, quantidade de lixo eletrônico despejado no meio ambiente devido à constante troca de equipamentos ou pela a quantidade de benefícios financeiros trazidos por ela (TECMUNDO, 2013). Parece complexo obter lucros com a virtualização, mas o surgimento de algumas tecnologias, como a computação em nuvem, pode auxiliar nesse processo. "Sustentabilidade é um diferencial de competitividade, principalmente sob o aspecto do marco legal, já que as certificações de qualidade são requisitos para aquisição de produtos ou contratação de serviços", diz o diretor-técnico do Sebrae, Carlos Alberto dos Santos. (SABE, 2013).

SUSTENTABILIDADE

Os recursos naturais são cada vez mais explorados, onde se demanda cada vez mais energia para fazer funcionar a civilização humana. Segundo Arthur Meucci (2011) quem possui os insumos, tem o poder de barganhar. O grande empecilho para a progressão da forma como consumimos é que todas as matérias-primas não são renováveis, é neste ponto que surge a sustentabilidade. Segundo Nilton Bruno Tomellin (2011) a sustentabilidade econômica é para obter  lucros, simplesmente não se encaixa na sustentabilidade planetária. A sustentabilidade como negócio promove ações que baseiam-se na relação custo-benefício. Bem-estar e cooperação cedem espaço à lucratividade. Com esse propósito instituições e empreendimentos geram a ilusão de proteção, e a lucratividade mascarada em uma nobre causa. A sustentabilidade nos moldes econômicos em que se apresenta, inviabiliza o futuro quando mostra o ser humano não como parte da natureza, mas como um adversário desta.

PORQUE NÃO VIRTUALIZAR?

Virtualizar todo e qualquer serviço em um centro de dados podem transformar em uma nova fonte de problemas, ao invés de uma solução milagrosa para os entraves de uma companhia. Balas de prata tecnológicas não existem não se pode  investir todos os recursos em apenas uma tecnologia. Existem serviços que não podem e não devem ser submetidos à virtualização, como serviços extremamente críticos, dos quais depende o funcionamento da empresa ou instituição. A virtualização não elimina os problemas comuns referentes aos sistemas operacionais, como falta de atualização, bugs e etc. A falta de planejamento e comunicação torna um pesadelo o gerenciamento e o bom funcionamento do negócio. Antes de se pensar em utilizar os inúmeros benefícios dessa tecnologia, há de se pensar sobre a real necessidade e como implantá-la da forma menos traumática possível (DELL, 2013).

CASOS APLICADOS

Um exemplo de caso aplicado é a empresa Otoch & Cia. Ltda, composto por 14 lojas de departamento, destaca-se pela busca incessante de crescimento e modernização.  Uma dificuldade enfrentada pela Otoch era a deficiência de uma análise centralizada das informações. Desejava, assim, obter uma maneira de unificar os seus processos. O Sistema nuvens permitiu a centralização e unificação das informações. Isso possibilitou um melhor acompanhamento e gerenciamento. Além disso, devido à tecnologia a gerência pôde realizar consultas fora da empresa, obtendo informações importantes no momento desejado, de forma mais ágil (UNUM, 2013).

METODOLOGIA DA PESQUISA

Utilizou-se o método dedutivo, uma vez que já se pressupunha os problemas referentes à temática proposta. Em uma segunda fase, foi feita uma pesquisa de campo onde foram aplicados questionários com perguntas direcionadas ao tema, a fim de se mapear um perfil do nível de conhecimento dos alunos a partir de suas vivências nas empresas em que trabalham, faculdade e em seu próprio conhecimento empírico. Os conteúdos foram analisados sob abordagem quantitativa. A pesquisa foi aplicada com cem alunos da Faculdade de Tecnologia do Nordeste, entre os meses de março e abril de 2013. Foram utilizados cem questionários com perguntas fechadas sobre o nível de conhecimento empírico e não-empírico sobre questões relativas à Virtualização e Sustentabilidade. Optou-se por este tipo de instrumento, uma vez que, através dele, têm-se perguntas sintéticas e uma análise mais veloz dos resultados. Os questionários foram aplicados às turmas, e logo devolvidos para sua análise.

ANÁLISE DOS RESULTADOS

Dos cem instrumentos de pesquisa, todos foram devolvidos, a partir dos quais se fez a análise a seguir:

· Com relação às principais vantagens 66% responderam otimização de tempo e recursos, 58% responderam flexibilidade.

· Perguntados se as empresas utilizam a virtualização para maior lucratividade ou sustentabilidade, 80%  responderam lucratividade.

· Perguntados sobre efeitos adversos, como corte de mão de obra menos qualificada, 15%  responderam como desvantagens dessa tecnologia.

CONCLUSÃO

Com o desenvolvimento deste artigo pode-se concluir que o objeto de estudo acadêmico dos cursos analisados, possui plenos conhecimentos das implicações ambientais e profissionais da tecnologia de virtualização, seja no trabalho ou nas atividades acadêmicas. Diferente do que se pensou durante a aplicação dos questionários, grande parte dos estudantes questionados possui uma visão extremamente pragmática e não romantizada dos benefícios comerciais da tecnologia da virtualização, bem como do menor impacto ambiental pelo seu uso, quando confrontados com o uso direto da tecnologia para produzir lucros. Portanto a virtualização veio para ficar. A evolução da TI é necessária para dar suporte às necessidades da atual sociedade, mas isso deve ser executado dentro de práticas sustentáveis sem agredir o meio ambiente. A virtualização está sendo vista como arma estratégica para uma redução de custos. Uma reputação sócio-ambiental correta, pode ser um atrativo a mais para clientes que apóiam a causa.

REFERÊNCIAS

CIENCIA & VIDA, Arthur Meucci. Revista Filosofia. Crescimento sustentável ingenuidade ou hipocrisia? Disponível em: <http://filosofiacienciaevida.uol.com.br/ESFI/Edicoes/62/artigo227409-1.asp>. Acesso em: 12 Abr 2013

DELL.Virtualização. O que não virtualizar em seu Data Center. Disponivel em:< http://www.dell.com/Learn/br/pt/brcorp1/large-business/what-not-to-virtualize-in-your-data-center?c=br&l=pt&s=corp>. Acessado em 14 Abr 2013

REDEMEBOX, Nilton Bruno Tomelin. Gestão Univercitária. A sustentabilidade como negócio. Disponível em: < http://www.gestaouniversitaria.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=25716:a-sustentabilidade-como-negocio&catid=274:280&Itemid=21> Acessado em 17 Abr 2013

SABE.Sistema de informação.Ti verde e Sustentabilidade: Serviços on-line.2013. Disponivel em:< http://www.sabesistemas.net/site/index.php/ti-verde-e-sustentabilidade>. Acessado em: 05 Abr 2013

TECMUNDO, Fabio Eduardo Amaral. O que é virtualização. Uma visão geral sobre a Virtualização, tendência que revolucionou o mundo da TI. Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/web/1624-o-que-e-virtualizacao-.htm>. Acesso em: 10 Abr 2013

UNUM. Porque sua empresa é unica. Cases: Para quem fazemos. Disponível em: <http://www.unum.com.br/para-quem-fazemos/cases/otoch>. Acesso em: 20 Abr 2013

Licença Creative Commons | Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas
Alguns direitos reservados
Exceto quando assinalado, todo o conteúdo deste site é distribuído com uma licença de uso Creative Commons
Creative Commons: Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas

Como seria o Vade Mecum dos seus sonhos?

Estamos trabalhando em um Vade Mecum digital, inteligente, acessível e gratuito.
Cadastre-se e tenha acesso antecipado e gratuito à nossa versão beta.