Biografia

NICOLAU MAQUIAVEL

__________________________________________________________________

Nicolau Maquiavel nasceu e morreu em Florença, Itália (1469-1527), sendo o terceiro dos quatro filhos (dois homens, duas mulheres).

Seu pai, advogado e estudioso em humanidades, influenciado pelos ventos da Renascença que há tempos sopravam na Itália, empenhou-se para proporcionar a Nicolau uma educação dentro dos melhores padrões de seu tempo.

A infância e a juventude de Nicolau Maquiavel correspondem também ao desabrochar de uma nova era, a Idade Moderna. Maquiavel, portanto, conviveu neste meio e foi um marcante protagonista do Renascimento.

O espírito crítico do Renascimento atingia, a um só tempo, os valores feudais, a nobreza e seu estilo de vida, a Igreja e sua concepção de mundo e poder, e o pensamento de Maquiavel reflete tudo isso. Cada passo de sua obra é balizado pelos padrões do seu tempo. O Estado moderno, centralizado, constituirá um dos seus fascínios – dele, Maquiavel será um dos principais ideólogos. Como define Federico Chabod (1984: 73), o pensador defende a necessidade de uma luta aberta que geraria, por consequëncia, um Estado forte.

Entretanto, na Itália a tendência centralizadora esbarra em um obstáculo irremovível: os Estados pontifícios, plantados no centro da península, impedem a unificação. A Igreja era considerada como inapta a unificar a Itália sob a sua égide, mas era forte o suficiente para impedir essa unificação. Tal unidade seria o grande sonho da vida de Maquiavel, e é com base nesse sentido que ele direciona ''O Príncipe''.

Neste ímpeto, Maquiavel é levado a se engajar em missões de cunho diplomático, embora não ocupando cargos de alta responsabilidade; sua figura aparece como um funcionário de confiança, a quem se pode delegar certas gerências importantes, mas nunca apontando como uma figura eminente -- ele ocupa um cargo na segunda chancelaria. Maquiavel ficou na segunda chancelaria de Florença de 1499 até 1512, como secretário do Conselho dos Dez da Guerra (Dieci di Libertà e Pace), que tratava de assuntos relativos à guerra, à paz e à diplomacia. Sua primeira missão diplomática realiza-se em 1499, em Florença-Itália, em um caso envolvendo a negociação de um pagamento entre Jacopo IV d'Appiano e Ludovico el Moro. A comunicação entre Maquiavel e as partes envolvidas nos conflitos era previamente estabelecida por meio de cartas, nais quais se pode notar o tom cauteloso e educado das palavras, o que foi muito elogiado em Florença.

Em 1510, Maquiavel atuou como mediador entre o papa e o rei da França. O agravamento do conflito entre ambos os levou à guerra. Os franceses venceram as tropas pontifícias; Florença é ameaçada pela Santa Liga, entidade criada pelo papa Júlio II para lutar contra a França. O governo republicano de Soderini caiu em 1512, e os Medici voltaram ao poder. A partir daí, começou o ostracismo de Maquiavel.

Em fevereiro de 1513 foi descoberto um complô contra os Médici, e Maquiavel figurava entre os suspeitos. Preso e torturado, foi multado e condenado à prisão.

Enquanto isso, ampliava-se o poder dos Medici. Neste mesmo ano de 1513 o cardeal Giovani de Medici transforma-se no papa Leão X. É o primeiro florentino a alcançar o papado.

Perdoado por intervenção direta de Juliano de Medici, com quem mantivera um bom relacionamento na juventude, Maquiavel tenta, sem êxito, retornar à vida pública. Impedido de trabalhar, recolheu-se ao exílio na propriedade da família, de San Andréa in Percussina, perto de San Casciano, a cerca de quarenta quilômetros de Florença. Começa a escrever ''O Príncipe''.

Dentre suas obras, além de o Príncipe (escrito em 1513), encontram-se "La Mandragora" (escrita em 1515), "Vita di Castruccio Castracani" (escrita em 1520), "Istorie Fiorentine" (escrita entre 1520 e 1525), "Clizia" e "Andria" (escritas por volta de 1524), "Belfagor".

"Maquiavel faleceu sem ter visto realizados os ideais pelos quais se lutou durante toda a vida. A carreira pessoal nos negócios públicos tinha sido cortada pelo meio com o retorno dos Médici e, quando estes deixaram o poder, os cidadãos esqueceram-se dele, “um homem que a fortuna tinha feito capaz de discorrer apenas sobre assuntos de Estado”. Também não chegou a ver a Itália forte e unificada.

Deixou porém um valioso legado: o conjunto de idéias elaborado em cinco ou seis anos de meditação forçada pelo exílio. Talvez nem ele mesmo soubesse avaliar a importância desses pensamentos dentro do panorama mais amplo da história, pois ” especulou sempre sobre os problemas mais imediatos que se apresentavam”. Apesar disso, revolucionou a história das teorias políticas, constituindo-se um marco que modificou o fato das teorias do Estado e da sociedade não ultrapassarem os limites da especulação filosófica."¹

¹ http://www.biografia.wiki.br/nicolau-maquiavel-filosofo.html

__________________________________________________________________ 

Breve cronologia __________________________________________________________________ 

1469. Nasce no dia 3 de maio, em Florença, Nicolau Maquiavel.

1476. Aos sete anos, inicia o estudo da matemática e do latim.

1477. Aos oito, começa a estudar na escola de Battista de Poppi.

1498. Aos 29 anos, apresenta-se, em vão, como candidato ao cargo de secretário da segunda chancelaria do governo de Florença, responsável pelos assuntos internos e extraordinários, inclusive os relacionados à guerra. Para a função, é nomeado um candidato de Savonarola. Nesse mesmo ano, Savonarola é processado, condenado e morto. Segue-se um expurgo do governo, e Nicolau Maquiavel volta a candidatar-se à segunda chancelaria, desta vez com êxito. Logo em seguida, torna-se secretário dos Dieci di Balia, conselho incumbido de superintender as relações de Florença com outros Estados, exercendo várias posições diplomáticas -- uma das quais origina o ''Discorso fatto al magistrato dei Dieci sopra lê cose di Pisa''.

1502. Casa-se com Marietta Corsini, com quem teve quatro filhos e duas filhas. Parte em sua missão mais memorável, na visita a César Bórgia, que dá origem a um relatório chamado "Descrição da Maneira empregue pelo Duque Valentino [César Bórgia] para Matar Vitellozzo Vitelli, Oliverotto da Fermo, Signor Pagolo e o Duque de Gravina, Orsini", a ser produzido no ano seguinte.

1503. Testemunha os crimes cometidos por César Bórgia, o Duca Valerilino, em Senigália.

1509. Dirigiu o pequeno exército miliciano de Florença para ajudar a libertar Pisa, missão desempenhada com sucesso.

1512. Batalha de Ravena: os franceses vencem as tropas pontifícias. Florença é ameaçada pelas forças da Santa Liga. Cai o governo republicano da cidade, e os Medici voltam ao poder. Em 7 de novembro, Nicolau Maquiavel é exonerado das funções que exerce, multado e proibido de entrar no palácio do governo durante um ano.

1513. Aos 44 anos, é preso e torturado sob suspeita de participar de uma conjura contra os Medici; reconhecida sua inocência, é liberado e se retira para Sant’Andrea in Percussina, onde passa a residir, na vila L’Albergaccio. Nesse ano morre Júlio II, sucedido por Leão X, da família Medici.

1515. Aos 46 anos, apresenta ''O Príncipe'' a Lourenço II, que o acolhe com frieza.

1519-1520. Publicação de "A Arte da Guerra"

1524. Publicação de "La Mandragora", uma comédia considerada como uma das mais brilhantes italianas, já alcançando sucesso na época de seu lançamento.

1527. Tropas de Carlos V saqueiam Roma. Restauração da república em Florença. Nicolau Maquiavel, que tinha viajado a Civitavecchia, retorna à sua cidade, mas é recebido com hostilidade devido à colaboração que havia prestado aos Medici e às interpretações facciosas de ''O Príncipe'', agora bastante conhecido. No dia 21 de junho, Nicolau Maquiavel morre, aos 58 anos, na pobreza e afastado do poder. O pensador foi sepultado no cemitério de Santa Croce, no dia seguinte. Depois de morto, Maquiavel foi posto no Index pelo concílio de Trento, o que levou-o, desde então a ser objeto de excreção dos moralistas.

1531. Publicação póstuma de "O Príncipe".

__________________________________________________________________ 

Fontes

__________________________________________________________________ 

[+] http://www.nicolaumaquiavel.com.br

[+] MAQUIAVEL, Nicolau. Cronologia do tempo, da vida e das obras de Nicolau Maquiavel. ''Escritos Políticos - A Arte da Guerra''. São Paulo, SP: ed. Martin Claret, 2002. pp 23-26.

[+] CHABOD, Federico. Escritos sobre Maquiavelo. México: Fondo de Cultura Económica, 1984. pp 73, 280-282.

[+] http://www.biografia.wiki.br/nicolau-maquiavel-filosofo.html

Sumário
Arquivos

Boletim Arcos

Cadastre-se para receber nosso boletim informativo
Nome:

E-mail:

ok


Acompanhe o Arcos nas redes sociais


Licença Creative Commons | Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas
Alguns direitos reservados
Exceto quando assinalado, todo o conteúdo deste site é distribuído com uma licença de uso Creative Commons
Creative Commons: Atribuição | Uso Não-Comercial | Vedada a Criação de Obras Derivadas